José Neves: “Objectivo é sair de Portugal”

O ciclista José Neves (Liberty Seguros-Carglass), de 21 anos, andou de camisola amarela no Troféu Joaquim Agostinho, fazendo frente ao poderio dos profissionais do pelotão nacional numa das mais importantes e exigentes provas do calendário nacional. No final dos cinco dias de competição, conquistou a camisola da juventude e fechou em 5º da geral ganha por Amaro Antunes (W52-FC Porto).

O Cycling & Thought entrevistou José Neves em exclusivo no Troféu Joaquim Agostinho, onde o jovem corredor se mostrou focado num objectivo bem claro. “O objectivo passa pelo Troféu Joaquim Agostinho, passa por andar bem e estar sempre com os profissionais para poder arranjar equipa para fora. O objectivo é sair de Portugal.”

José Neves não podia ter iniciado de melhor forma a 40ª edição do Troféu, pedalando o 8º melhor tempo no prólogo inaugural, gastando mais 25 segundos do que o vencedor, o vice-campeão norueguês da especialidade Andreas Vangstad (Team Sparebanker Sor). Mas a maior glória chegou à segunda etapa, no alto de Montejunto, onde foi 3º e vestiu a camisola amarela. “É uma sensação incrível! Nem sabia que estava de amarelo, só agora é que soube. É uma sensação enorme! Foi um sofrimento até chegar cá acima”, relatou emocionado ao Cycling & Thoughts, após cruzar a meta a 32 segundos de Amaro Antunes (W52-FC Porto), vencedor do dia.

Sabendo do poderio das equipas profissionais, José Neves olhou para a manutenção da liderança da geral com cautela. “Vai ser um bocadinho difícil, mas vamos ver como é que corre. O objectivo passará por vencer a juventude”, disse-nos ao final da manhã no primeiro sector da terceira jornada. Pela tarde, após o circuito de Torres Vedras, passou a amarela para as mãos daquele que viria a vencer o Troféu no dia seguinte, Amaro Antunes.

A perda da amarela não ofuscou o brilhantismo com que se bateu pelo Troféu, alcançando o objectivo da conquista da camisola laranja da juventude, um triunfo a juntar esta temporada à vitória do Campeonato Nacional de Contra-relógio e da Volta a Portugal do Futuro, que para José Neves “Significam o querer muito e o trabalhar para as obter. Trabalhei bastante para estar bem nesta fase da época e para os objectivos que faltam. Esforcei-me sempre ao máximo para cumprir tudo o que estava no plano e agora chegou a recompensa.”

Num percurso diferente do pedalado em Braga em 2015, José Neves repetiu a conquista do título nacional na especialidade de contra-relógio, desta feita em Santa Maria da Feira. No Campeonato deste ano, encontrou “Um percurso que se adaptava bem a mim, porque era um pouco duro, devido aos topos que tinha.”

À camisola de campeão nacional seguiu-se a conquista da mais importante prova do calendário nacional sub-23, a Volta a Portugal do Futuro, com direito a vitória na etapa rainha. “Sofri muito pelo São Macário acima na etapa rainha, porque ataquei logo de início. Tentei sempre manter o mesmo ritmo, mas quando vi que ia ganhar, tentei ganhar ainda mais tempo e consegui. Alcancei a vitória com a ajuda dos meus colegas, que estiveram sempre comigo em todos os momentos. Tivemos uma equipa motivada e muito forte durante a Volta.”

Motivação é a palavra-chave na presente temporada para José Neves, que se estreou na Liberty Seguros-Carglass, uma “Equipa nova, onde temos muitas condições e nos maus momentos tentam sempre que estejamos novamente bem.”

O ano de 2017 apresenta-se como a rampa de lançamento para a ribalta do jovem ciclista que em 2015 venceu o seu primeiro Nacional de contra-relógio e a Volta às Terras de Santa Maria.

José Neves 5º da geral e vencedor da juventude no Troféu Joaquim Agostinho (© Helena Dias)
José Neves vestiu a amarela do Troféu Joaquim Agostinho no alto de Montejunto (© Helena Dias)
José Neves no esforço individual no prólogo do Troféu Joaquim Agostinho (© Helena Dias)

O sofrimento da dureza de Montejunto no rosto de José Neves (© Helena Dias)

Alegria de José Neves com Venceslau Fernandes na celebração da subida à liderança da amarela no Troféu Joaquim Agostinho (© Helena Dias)

A defesa da amarela foi levada até ao limite das forças de José Neves (© Helena Dias)

Sem comentários:

Enviar um comentário