Giro d’Italia 2018: o percurso e a surpresa de Froome

A 101ª edição do Giro d’Italia está marcada para os dias 4 a 27 de Maio de 2018. Pela primeira vez, um Grand Tour parte fora da Europa, mais precisamente em Israel, que recebe três etapas, sendo a primeira dedicada a Gino Bartali, em memória do “Ginettaccio”, “Justo entre as Nações”. À partida irá estar o britânico Chris Froome (Team Sky), como o próprio anunciou por vídeo, na apresentação oficial do percurso: “Estou ansioso por vê-los a todos à partida do Giro d’Italia 2018”.

Pelotão luso, em busca dos talentos escondidos (2)

Dar o melhor na profissão que escolheram, mesmo que isso implique trabalhar em prol de vitórias alheias, em parte construídas ao sabor das suas pedaladas. Esta é a história de muitos ciclistas do pelotão, donos de um talento comprovado, mas que, aos olhos da maioria do público, vivem na sombra dos seus líderes. A eles o Cycling & Thoughts dedicou um primeiro artigo no início deste ano, regressando agora com “Pelotão luso, em busca dos talentos escondidos”, debruçando-nos nesta segunda edição sobre António CarvalhoFrederico Figueiredo e Ricardo Vale.

Ivo Fernandes, o primeiro luso no Centro Mundial de Ciclismo UCI

Ontem, o ciclismo português recebeu a boa notícia da integração em 2018 do sub-23 Tiago Antunes (Sicasal-Constantinos-Delta Cafés), de 20 anos, no Centro Mundial de Ciclismo da UCI, em Aigle, Suíça. A notícia foi veiculada como sendo o primeiro luso a fazer parte deste importante Centro, mas a Associação Portuguesa de Ciclistas Profissionais (APCP) relembra o primeiro ciclista a integrar o projecto da mais alta instância da modalidade, mas no escalão júnior em 2006: Ivo Fernandes.

Vitória de Vítor Santos e Ana Rita Vigário em Águeda

Mais de uma centena de atletas disputaram a primeira prova da Taça de Portugal de Ciclocrosse, onde Vítor Santos (Quinta das Arcas/Jetclass/Xarão) e Ana Rita Vigário (Sporting-Tavira) triunfaram em elites.

Polémica redução de ciclistas “em exibição” na próxima temporada

O ciclismo está em constante mutação. De ano para ano há que adaptar-se à mudança na designação das equipas, fruto da entrada de novos patrocinadores; os novos rostos no plantel de cada equipa; as novas cores e equipamentos a compor o pelotão; o surgimento de novas corridas e a extinção de outras. Além disso, existe a mudança de algumas regras, como a polémica redução do número máximo de ciclistas permitido em corrida, um filme “em exibição” na próxima temporada.