Opinião Et4 VoltaPortugal: A equação do ciclismo

No cenário inebriante de Mondim de Basto vimos o desenrolar de duas histórias que se unem de forma harmoniosa, porque essa é a magia do ciclismo e da Volta a Portugal. Enquanto admirámos o trabalho da OFM-Quinta da Lixa e Efapel-Glassdrive a marcar o ritmo do pelotão, deixámo-nos perder pelas paisagens de cortar a respiração que este país oferece e não ficam nada aquém das mais belas fotografias das grandes voltas.

Sra. da Graça (Foto Helena Dias)

A jornada de hoje, entre Boticas e a Sra. da Graça, foi um excelente exemplo de uma simples equação: ciclismo + natureza + património = divulgação turística do país. Uma fórmula simples que demonstra como este desporto é uma forma inteligente de ‘vender’ o país a nível turístico. Lado a lado, o pelotão escreve a história de cada jornada, enquanto leva além-fronteiras o melhor que temos por cá. Paisagens naturais de rara beleza a par de um património cultural de grandiosidade histórica e artística, que as imagens televisivas passam como se de telas pintadas à mão se tratassem.

  
Barragem do Alvão, Vila Real (Foto Helena Dias)
Palácio de Mateus, Vila Real (Foto Helena Dias)

Entre a tranquilidade do cenário que os rodeia, acompanhámos a perseguição feroz à fuga por parte da equipa do líder Gustavo Veloso e da mais directa rival até então, pois aqui a equação mudou no final da jornada. OFM-Quinta da Lixa e Efapel-Glassdrive marcaram o ritmo para entrar na subida da mítica Sra. da Graça na frente da corrida. Se a imagem dos homens de trabalho de ambas as equipas marcaram pelo imponente esforço, também outras imagens se destacaram pelo forte impacto causado, como a sempre invejável maré de público em Mondim de Basto para ver passar o colorido pelotão da Grandíssima.

 
Samuel Caldeira (OFM) na frente do pelotão (Foto Helena Dias)

Mas não só, outras imagens marcaram a beleza da etapa… Já em plena Sra. da Graça, o derradeiro ataque de David Belda (Burgos BH) a querer repetir o triunfo do dia anterior, a par de um último esforço por Victor de la Parte (Efapel-Glassdrive). A luta incessante de António Carvalho (LA Alumínios-Antarte) para se manter na fuga do dia, coroando os três primeiros altos da jornada e consolidando a liderança da montanha. Três, porque o quarto cimo da Sra. da Graça estava reservado para o companheiro de equipa Edgar Pinto, que conquistou a primeira vitória lusa nesta 76ª edição. Imagem poderosa, estando a recuperar da queda sofrida no final do dia anterior. Ao escrever o seu nome numa das etapas mais desejadas da Volta, escalou simultaneamente a 2º da geral, tornando-se no mais directo rival de Gustavo Veloso, que cruzou a meta em 2º e aumentou a distância para os demais rivais com vista à geral.

Nas equações desta Volta, a amarela está segura em Veloso por mais de 20 segundos. Chegará para ultrapassar a Torre e o contra-relógio? Até lá, muito pode acontecer.

Vitória de Edgar Pinto (Foto Podium)
Resultados Et4 VoltaPortugal (Foto Helena Dias)
CG após Et4 VoltaPortugal (Foto Helena Dias)
______
Opinião Et3 VoltaPortugal: Os heróis do estreante Larouco
Opinião Et2 VoltaPortugal: Estratégia Efapel
Opinião Et1 VoltaPortugal: Maia, Terra de ciclismo
Opinião Prólogo VoltaPortugal: Em busca do sonho
Opinião VoltaPortugal: 76ª edição a não perder! 
(escrito em português de acordo com a antiga ortografia)

3 comentários:

  1. Anónimo3/8/14

    Parabéns pelo artigo de opinião e pelas fotos do País.Muito bem conjugado.

    ResponderEliminar
  2. Delicioso Helena... Parabéns!!!

    ResponderEliminar