Agosto/2014: equipas e ciclistas lusos pelo mundo

Pelo profissionalismo com que enfrentaram a prova e o orgulho com que envergaram a camisola de Portugal, o destaque do mês de Agosto recai sobre a Selecção Nacional Sub-23 no Tour de l’Avenir, sem esquecer a performance lutadora do internacional Bruno Pires (TCS) no USA Pro Challenge.

Taça Nacional de Circuitos: Daniel Freitas vence na Póvoa de Varzim

Daniel Freitas (LA Alumínios-Antarte) triunfou no Circuito da Póvoa de Varzim, a 6ª e penúltima prova pontuável da Taça Nacional de Circuitos na qual o companheiro de equipa Pedro Paulinho segurou a liderança.

Hélder Ferreira: “Este ano, representar a Efapel/Glassdrive foi um orgulho”

O ano de 2014 trouxe uma Efapel/Glassdrive renovada quase na sua totalidade, repleta de novos rostos entre eles o do jovem Hélder Ferreira. Aos 23 anos integrou a armada de Lourosa, protagonizando neste seu primeiro ano como profissional um papel fundamental de trabalho em prol da equipa, não apenas em provas lusas como também em Espanha.

Luís Gomes, a simbiose perfeita entre pista e estrada

Luís Gomes viu o ciclismo entrar na sua vida aos 9 anos de idade. Estávamos em 2003, ano no qual deu as primeiras pedaladas na Associação Desportiva Recreativa Ases Penafiel. Nessa casa viveu os escalões de iniciados, infantis, juvenis, cadetes e juniores, começando desde cedo a construir a sua história na modalidade. Entre outros destacados resultados, em 2009 foi 2º na Volta a Portugal de Cadetes, alcançando a glória tanto na estrada como em pista, vertente onde obteve vitórias em diversas disciplinas e se sagrou campeão nacional em juniores. Foi desenvolvendo uma crescente maturidade e em 2013 continuou a apurar as faculdades já no escalão sub-23 na equipa Maia-Bicicletas Andrade, onde se encontra até aos dias de hoje.

Taça Nacional de Circuitos: Leonel Coutinho vence na Moita

A vitória do 63º Circuito da Moita sorriu a Leonel Coutinho (Liberty Seguros/Feira/KTM). O jovem de 22 anos impôs o seu sprint diante dos profissionais Bruno Sancho (Banco BIC-Carmim) e Rafael Silva (Efapel-Glassdrive), ambos na disputa pela geral da Taça Nacional de Circuitos, que permaneceu nas mãos de Pedro Paulinho (LA Alumínios-Antarte).

Vuelta a España, a corrida do ano

A Vuelta a España tornou-se na corrida do ano pelo pelotão que irá brilhar ao longo das 21 etapas. Para além do luxo de sprinters e gregários, os favoritos apontados para os primeiros lugares da geral prometem muito espectáculo no asfalto: Alberto Contador (TCS), Chris Froome (SKY), Joaquim ‘Purito’ Rodríguez (KAT), Nairo Quintana e Alejandro Valverde (MOV), Fabio Aru (AST), Cadel Evans e Samuel Sánchez (BMC), Rigoberto Urán (OPQ), Thibaut Pinot (FDJ), Dan Martin e Ryder Hesjedal (GRS), Jurgen Van Den Broeck (LTB)... Entre outros nomes sonantes como Philippe Gilbert (BMC), Fabian Cancellara (TFR), Tom Boonen e Tony Martin (OPQ), estes são um grande incentivo para não querer perder pitada da 69ª edição.

Esa pasión llamada ciclismo

Hace mucho que no comparto mis pensamientos en castellano. Por estos días estoy viviendo nuevas experiencias en el ciclismo portugués, y creo nada mejor que compartirlo con todos los que me leen hace tiempo en el idioma de mi querida vecina España. Tengo ido a algunos circuitos, una experiencia que nunca había vivido. La verdad es que por más que no tengan la grandiosidad de la prueba reina, la Volta a Portugal, me tienen encantado por su más pura esencia del ciclismo y por su cercanía al público.

Taça Nacional de Circuitos: Pedro Paulinho vence em Alcobaça

Pedro Paulinho (LA Alumínios-Antarte) bisou na Taça Nacional de Circuitos. Esta quarta-feira, agarrou o triunfo do 23º Circuito de S. Bernardo, em Alcobaça, consolidando a liderança da camisola amarela.

Taça Nacional de Circuitos: César Fonte vence em Nafarros

Esta é uma temporada recheada de triunfos para César Fonte. O imperador da Rádio Popular-Boavista conquistou esta segunda-feira mais uma vitória, desta feita o 54º Circuito de Nafarros, terceira prova pontuável da Taça Nacional de Circuitos que manteve a liderança de Pedro Paulinho (LA Alumínios-Antarte).

A força persistente de Rui Sousa

Mal terminou a Volta a Portugal, Rui Sousa (Rádio Popular-Boavista) prometeu não encostar a bicicleta no final da temporada. Com um 2º lugar na 76ª edição e a vitória da etapa rainha na Torre, o experiente ciclista de 38 anos mostrou-se em excelente forma, fazendo esquecer a debatida questão da idade nos profissionais de ciclismo e mostrando que a força persistente de quem ama esta profissão supera qualquer ano a mais.

Taça Nacional de Circuitos: Manuel Cardoso vence na Malveira

O rei luso dos sprints Manuel Cardoso (Banco BIC-Carmim) não perdoou na meta e imperou diante de toda a concorrência, conquistando o 73º Circuito da Malveira. Na 2ª prova pontuável da Taça Nacional de Circuitos, Pedro Paulinho (LA Alumínios-Antarte) cruzou a linha em 2º, segurando a liderança da camisola amarela.

Taça Nacional de Circuitos: Pedro Paulinho vence na Curia

Pedro Paulinho (LA Alumínios-Antarte) alcançou este sábado na Curia a sua segunda vitória da temporada. Num renhido sprint, conquistou a meta da primeira prova da Taça de Portugal de Circuitos.

GP Mortágua: Vitória de Daniel Silva

A vitória tardou, mas chegou. Daniel Silva (Rádio Popular-Boavista) conquistou o primeiro triunfo da temporada ao vencer esta sexta-feira o 14º Grande Prémio de Ciclismo Mortágua, prova de 107,6 km organizada pelo Velo Clube do Centro.

Opinião VoltaPortugal: Uma surpresa chamada Selecção Nacional

No meio do pelotão da Volta a Portugal, encontrámos nesta 76ª edição um grupo de jovens corredores portugueses prontos para desafiar a prova rainha nacional. Os oito jovens levaram na bagagem a camisola da Selecção Nacional, muita vontade de se mostrar e de cruzar a última meta em Lisboa.

Opinião Et10 VoltaPortugal: O sorriso dos heróis

Sonha-se com ela um ano inteiro, luta-se por ela durante onze dias. A Volta a Portugal pulsa no coração do pelotão e faz vibrar quem acompanha as aventuras de cada jornada. Os fãs emocionam-se com os seus admiráveis heróis, os ciclistas que engrandecem cada quilómetro pedalado. Do primeiro ao último da classificação, todos escreveram a história da 76ª edição… E no mais alto lugar do pódio resplandeceu o sorriso de Gustavo Veloso (OFM), o grande vencedor da camisola amarela.

Opinião Et9 VoltaPortugal: O tempo voa

No contra-relógio individual, último reduto para os principais rivais tentarem mudar a história da Volta a Portugal, o galego e líder da amarela Gustavo Veloso (OFM) não deixou qualquer margem para dúvida sobre a sua superioridade, queimando no asfalto os 28,9 km em 35m07s, a uma média de 49,378 km/h, conquistando a sua primeira vitória nesta edição. O mais próximo, a 55s, foi Victor de la Parte (EFG), que parecia agarrar a segunda vitória numa Volta onde tem brilhado dia após dia.

Opinião Et8 VoltaPortugal: Entre a glória e o sofrimento

Entre a glória de Sergey Shilov (LOK) vencer a etapa e o sofrimento de Albert Torres (ECU) para cruzar a meta passaram 10m07s. A mais longa jornada da 76ª Volta a Portugal, de 194 km, terminou em Castelo Branco com a força surpresa do russo a bater toda a concorrência lusa e começou no Sabugal com o espanhol a percorrer todos os penosos quilómetros sem quase conseguir colocar a mão esquerda no guiador da bicicleta.

Opinião Et7 VoltaPortugal: Uma bela lição de ciclismo

Diante de tão demolidora etapa rainha, por vezes faltam palavras para descrever o que se sente perante o grandioso desempenho dos heróis da Volta a Portugal. São momentos como os de hoje que nos fazem apaixonar por este desporto único e admirar cada corredor do pelotão… a estrondosa vitória de Rui Sousa (BOA) no alto da Torre, a defesa da amarela por Gustavo Veloso (OFM), o trabalho dos companheiros de equipa da Efapel e OFM ao longo das três ascensões do dia, a consolidação da liderança da montanha por António Carvalho (LAA), os ataques e contra-ataques em plenas subidas de Edgar Pinto (LAA), Sandro Pinto e Hernâni Brôco (LDD), César Fonte e Daniel Silva (BOA), até ao último esforço de cada corredor por cruzar a meta.

Opinião Et6 VoltaPortugal: Os derradeiros desafios

Avizinha-se o dia de descanso na Volta a Portugal. Em Viseu, as equipas irão aproveitar o merecido dia de folga para afinar os últimos detalhes, as últimas estratégias para mudar a liderança detida por Gustavo Veloso (OFM). A tarefa não parece simples, já que o galego mostrou até ao momento ser o mais forte. Mas será nas decisivas jornadas?

Opinião Et5 VoltaPortugal: Sotaque espanhol na Volta

É indiscutível a bela performance de David Belda (Burgos BH) na 76ª Volta a Portugal. Com o triunfo arrecadado hoje, o pequeno espanhol de 31 anos soma duas vitórias em etapas complicadas de chegada em alto à Serra do Larouco e à Nossa Sra. da Assunção, ocupando o 7º lugar da geral. Pelo meio ficou uma batalha perdida, mas inesquecível, pelo alto da Sra. da Graça. Tem animado os finais das etapas em busca da vitória, sem perder a oportunidade de escalar na geral.

Opinião Et4 VoltaPortugal: A equação do ciclismo

No cenário inebriante de Mondim de Basto vimos o desenrolar de duas histórias que se unem de forma harmoniosa, porque essa é a magia do ciclismo e da Volta a Portugal. Enquanto admirámos o trabalho da OFM-Quinta da Lixa e Efapel-Glassdrive a marcar o ritmo do pelotão, deixámo-nos perder pelas paisagens de cortar a respiração que este país oferece e não ficam nada aquém das mais belas fotografias das grandes voltas.

Opinião Et3 VoltaPortugal: Os heróis do estreante Larouco

A terceira etapa da Volta a Portugal trouxe aos fãs uma chegada inédita. A Serra do Larouco, em Montalegre, prometia ser o primeiro teste entre os favoritos e, consequentemente, o fim do reinado de Victor de la Parte (Efapel-Glassdrive) de amarela. Assim aconteceu, mas não foi somente entre os corredores profissionais que esta nova subida fez história este ano no ciclismo luso.

Opinião Et2 VoltaPortugal: Estratégia Efapel

Defender a amarela parecia uma meta distante para Victor de la Parte com a inoportuna queda sofrida ao início da primeira etapa. Contudo, até ao momento, nesta Volta a Portugal a Efapel-Glassdrive tem pedalado uma estratégia bem delineada no asfalto. Começou por vencer o prólogo, apostando no corredor mais forte para tal e, desde aí, as duas etapas que se seguiram mostraram uma equipa com um plano bem traçado.