Ser ciclista... é uma paixão


No próximo dia 17 de Março vai para a estrada a Clássica Aveiro-Fátima/Troféu LabMed, que reúne o pelotão português elite e sub-23. Também nesse dia dar-se-á o tiro de partida do calendário de juniores e cadetes com a realização da Prova de Abertura de ambas as categorias. Por esta razão, é tempo de olhar para as camadas mais jovens.

Qualquer ciclista, ao entrar numa prova, tenta dar tudo de si. Esta frase não é nenhuma novidade, seja qual for o escalão de idade que estejamos a falar, e os jovens portugueses mostram a força do sonho de ser ciclista a cada pedalada nas corridas disputadas. Se em sub-23 a luta por permanecer no pelotão no ano seguinte é, muitas vezes, mais mental do que física, em juniores e cadetes todas as decisões parecem estar muito distantes de ser tomadas. No entanto, não é por isso que deixam de dar espectáculo nas estradas portuguesas, como podemos observar mais atentamente em 2012. Falamos apenas de dois nomes, tendo perfeita percepção da injustiça de não nomear todos aqueles lutam pelo futuro do ciclismo luso.

Tiago Daniel Machado, a temporada passada a correr pelo clube Silva & Vinha/ADRAP/Sentir Penafiel e este ano no Alcobaça CC/Crédito Agrícola, revelou-se lutador na estrada e brilhante em pista. Se em cadetes mostrou qualidades extraordinárias em ambas as modalidades, em 2013 o nosso olhar seguirá as pedaladas deste júnior português com adicional expectativa.
David Ribeiro, em 2012 com as cores do CC Avidos/Metalização A. Lemos e esta temporada a acrescentar valor à equipa júnior Liberty Seguros/Feira/KTM, prendeu a atenção de todos quantos seguiram a 7ª Volta a Portugal Júnior e se surpreenderam com a sua técnica aguerrida de trepador ao vencer a camisola da montanha, fazendo prever uma maior evolução na actual temporada.
 

No fundo, olhamos cada um dos heróis das estradas desde pequenos até profissionais e temos plena consciência de que ser ciclista não é uma profissão, é uma paixão. Desfrutar de cada pedalada nas estradas, mesmo após quilómetros e quilómetros à chuva ou debaixo de um sol que consome cada gota de ânimo para chegar à linha de meta, não é fácil. Mas eles conseguem fazê-lo e, quando chegam ao final de uma prova, parecem gostar ainda mais da bicicleta. É assim quando pedalam em elites, assim é quando pedalam em cadetes e juniores. Podemos ver a imagem dessa paixão traduzida na forma como procuram o seu lugar no ciclismo, abordando todas as modalidades com o mesmo empenho e interesse com que enfrentam a dureza da estrada. O futuro do pelotão nacional torna-se, deste modo, cada vez mais prometedor quanto à sua qualidade e consequente expansão internacional.

[Fotos: Facebook Tiago Daniel Machado e David Ribeiro]
(escrito em português de acordo com a antiga ortografia)

Sem comentários:

Enviar um comentário